Dores no nervo ciático em casos de endometriose profunda e seus sintomas!

10

 

A endometriose é uma doença que pode atingir qualquer órgão do corpo da mulher. Algumas endomulheres queixam dores na região do nervo ciático que fica entre a lombar e as nádegas), bem como dores nas pernas, que irradiam para as pernas e ou queimação, cãimbras, dentre outros sintomas. 

Porém, mesmo para quem sente esses sintomas, é preciso uma avaliação com um especialista, pois o motivo da dor pode ser outro. Falo isso porque eu sentia tudo que relatei acima, e, apesar da suspeita, graças a Deus eu não tinha endometriose no nervo ciático,

Fiz a avaliação com um especialista em nervos, neuropelveologia – na época em 2011 tinha apenas ele e eu fazia o tratamento num ambulatório especializado pelo SUS, que hoje não atende mais nenhuma portadora nova, somente as que já passaram por lá -, antes da minha segunda cirurgia para ter certeza que essa cirurgia seria completa.

A doutora Graciela Morgado explica um pouco sobre a endometriose no nervo ciático em mulheres com endometriose profunda e os sintomas deste tipo de endometriose. Beijo carinhoso! Caroline Salazar 

Por doutora Graciela Morgado
Edição: Caroline Salazar

Dores no nervo ciático em casos de endometriose profunda

 

A endometriose quando atinge o nervo ciático pode causar dores nos músculos inferiores e na região do próprio nervo.

Em alguns casos, pode ocorrer a aderência de focos próximos ao nervo ciático, causando dores e neuropatias.

Pesquisadores da Universidade de Roma, Itália, realizaram uma pesquisa com o intuito de identificar dores causadas por infiltrações da endometriose em certos nervos.

Como resultado, 30% das pacientes apresentaram diminuição da sensibilidade na parte da coxa e tiveram o ciático como principal nervo afetado pelas dores da endometriose.

Outro artigo do “Journal of Pelvic Pain Desorders” analisou o caso de duas pacientes, entre 35 e 39 anos que nunca tiveram filhos com dor ciática unilateral relacionada à apresentação de endometriose no nervo ciático.

O intervalo de tempo entre o início do quadro e diagnóstico é de cinco a oito anos. Ambas pacientes sofriam com problemas de locomoção e atrofia muscular.

Os principais sintomas apresentados no estudo são os seguintes:

– Dores agudas no ciático (parte inferior das costas, próxima às nádegas);

– Choque/ queimação nesse local e irradiando para as pernas;

– Câimbras nos membros inferiores;

– Atrofia muscular e dificuldade de locomoção em casos mais severos (quando há a compressão do nervo).

A forma mais segura de diagnóstico da doença, segundo a análise do caso, é a Ressonância Magnética por imagem e a análise clínica.

Na ausência de neuropatias, o tratamento mais indicado é o uso de medicamentos hormonais para o controle dos sintomas. Já quando a neuropatia está presente, é indicada a descompressão cirúrgica do nervo.

Portanto, se você apresenta outros sintomas de endometriose, e possui algum dos sintomas citados acima, é importante investigar a presença de endometriose no nervo ciático e buscar tratamento o mais adequado.

 

Sobre a doutora Graciela Morgado Folador:

Ginecologista e obstetra, Graciela Morgado Folador tem Pós-graduação em Endometriose, em Cirurgia Minimamente Invasiva, em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida e Especialização em Vídeo-histeroscopia. É membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH), da Sociedade Brasileira de Endometriose (SBE) e da Advancing Minimally Invasive Gynecology Wordwide (AAGL). É médica-colaboradora do setor de Endometriose do Hospital das Clínicas de São Paulo, USP. Siga a fanpage da doutora Graciela.

Fonte imagem: Pixabay

10 Comentários

  1. SHIRLEY FACHETTI Em

    Descobri a endometriose em 2014 e de dois anos pra cá sinto dores terríveis na perna direita. Tenho aderências localizadas próximas ao nervo ciático, que acabam por comprimi-lo. Sinto dores na perna que nunca passam, apenas aliviam ou pioram, tornando difícil até o meu caminhar. Já não faço minhas atividades diárias como antes. Estou com dificuldade em liberar a cirurgia pelo plano que aliás, fiz apenas por causa da descoberta dessa doença. Conseguir atendimento pelo SUS para meu caso aqui no ES é muito complicado. Essa dor na minha perna já foi considerada até psicológica rs, pois não se ouvia falar em complicações no ciático. É muito frustante ouvir de um profissional que você busca ajuda, que suas dores, aquela dor que só quem tem endometriose profunda sabe o que é, ouvir que aquela DOR INCAPACITANTE, é coisa da sua CABEÇA. Ainda tenho as dores causadas pelo comprometimento intestinal. Graças a Deus agora faço acompanhamento com uma médica maravilhosa que me explicou sobre a compressão do nervo ciático, sanando todas as minhas duvidas. Adorei a matéria, pois este assunto deve ser divulgado para que outras portadoras como eu não desanimem perante a alguns profissionais que duvidam de seus sintomas e de suas dores. Tenho fé que vencerei meu plano de saúde e conseguirei operar. Parabéns pela excelente matéria!

  2. Eu tenho a doença a mais de 10 anos, de uns meses pra ka comecei a sentir muitas dores no nervo ciático mais nunca imaginei que a Endometriose pode afetar esse lado. Essa doença é complicada e quase lugar nenhum faz atendimento pelo SUS. Estou agora na luta para conseguir um hospital que me atenda pelo SUS.
    Abraços a todas.

  3. “… eu fazia o tratamento num ambulatório especializado pelo SUS, que hoje não atende mais nenhuma portadora nova, somente as que já passaram por lá.”

    Isso é muito frustrante. Descobri que tenho endometrioma e adenomiose em dezembro de 2015. Tinha acabado de ficar sem plano de saúde e devido a minha condição financeira atual ainda não consegui contratar um novo plano.
    O médico que me atende pelo SUS me receitou Cerazette e como apresentei melhora das dores ele disse que era o máximo que poderia ser feito e que uma videolaparoscopia pelo SUS é praticamente impossível.
    Estou aguardando uma consulta com um especialista em infertilidade desde agosto de 2016, mas a fila continua no mesmo lugar, não estão atendendo ninguém.
    Muito triste depender do SUS : (

  4. Lilian Freitas Em

    Sentia muita dor no ciático à esquerda que descia das nádegas até meu pé queimando mesmo após minha segubda cirurgia. Meus médicos pediram ressonância da coluna toda (as 3 partes), do abdomen e pelve e ainda uma eletromiografia dos membros inferiores. Os exames não mostraram focos no ciático, apenas no hipogástrico que foram tirados cirurgicamente. Na análise clínica havia diferença de sensibilidade de uma perna para outra. Estava tomando Allurene mas ainda sentia cólicas periodicamente. Os médicos sugeriram continuar com Allurene e tomar Amitriptilina para cortar o sinal da dor neuropática. Com 3 meses de Amitriptilina e completando 12 meses de Allurene, tanto as cólicas quanto a dor ciática desapareceram e hoje levo uma vida normal, faço academia, acupuntura, dança, cuido da alimentaçao e continuo com o Allurene (com o tempo os efeitos colaterais sumiram também).

    • Lilian Freitas Em

      Lembrando que diferente da cólica que não tinha horário, a dor no ciático intensificava no período da noite. O neurologista me disse que essa é uma característica de neuropatia também.

  5. Bruna Soares Em

    Há 4 anos descobri que tenho focos e aderência no nervo ciático, as dores são horríveis, tive que parar de trabalhar e muitas vezes não consigo nem caminhar, somente na época que usei o zoladex foi que melhorei, mas os efeitos colaterais são tão ruins e demoram tanto tempo para passar que tenho medo de passar pelo processo dessa medicação novamente. Hoje estou a procura de um outro especialista para ter uma segunda opinião, pois a primeira foi que eu não posso fazer nenhum tipo de cirurgia. Se alguém souber de um bom médico de Porto Alegre/ RS para me indicar agradeço. 😁 Quem tem endometriose tem que ter uma cabeça muito boa e fé para não desanimar nesta árdua caminhada que só quem tem sabe como realmente é.

  6. Eu tive a doença no nervo ciático. A minha vida parou em função de tantas dores. Mas, com um bom especialista, esse problemão foi solucionado. Isso é muito sério e precisa de um grande especialista na área, para resolver a situação. Adorei a matéria.

    • Caroline Salazar Em

      Querida, Renata. Obrigada por seu comentário. Ele comprova a importância de se tratar com um especialista de verdade. Beijo carinhoso!! ❤️

    • Ana Amélia M de Arruda Em

      Quem foi esse bom especialista que te cuidou? Em São Paulo? Necessitamos desse bom profissional em Recife/Pernambuco.

Deixe seu comentário