Portadoras de endometriose podem tomar a vacina da febre amarela?

3

 

Por Caroline Salazar
Edição: doutor Alysson Zanatta

 

Há quem espera o ano todo para a chegada do verão, não é mesmo? Pois o de 2018 mal chegou e já trouxe com ele a preocupação com algumas doenças.

Entre as doenças que mais acende a luz vermelha na estação mais quente do ano estão às transmitidas por mosquitos, como a Dengue, a Zika, a Chikunguya e a febre amarela. 

A cada verão uma está dando as caras. Até parece que estão fazendo rodízio! Até parece piada, mas infelizmente é a realidade brasileira há alguns verões.

Um mês após o início do de 2018, a febre amarela volta a aterrorizar a população brasileira por conta do crescente número de casos. Lembro-me bem nos anos anteriores quando o assunto era a Zika, a Chikungunya, a Dengue e, antes mesmo, a própria febre amarela.

Para ficar imune de contrair a doença transmitida aos humanos pelo mosquito  é preciso tomar a vacina.  

E é exatamente aí que está o xis da questão: a portadora de endometriose pode ou não tomar?

Segundo o Ministério da Saúde, na regra-geral de proibição, estão menores de 6 meses, gestantes, mulheres que amamentam, idosos, pessoas em tratamentos de quimioterapia e ou radioterapia, com alta e prolongadas dosagem de corticoides, que têm baixa imunidade seja ela congênita ou adquirida, com HIV/ AIDS ou que estejam em estado febril.

Essa contraindicação foi retirada do site do Ministério da Saúde. Porém há algumas semanas tenho recebido inúmeras mensagens de leitoras perguntando se a portadora de endometriose pode tomar.

Eu estava tranquila e ainda não pensava em escrever este texto até que, na última semana, recebi na fanpage do blog uma mensagem dizendo que há pessoas em grupos aterrorizando algumas meninas que tomaram a vacina alegando que quem tem doença autoimune não pode tomar.

É tão chocante quando você sabe que há portadora fazendo isso com sua endoirmã. Em nenhum momento o Ministério da Saúde generalizou a contraindicação para “todas as doenças autoimunes”, por exemplo.

E mesmo se “todas as doenças autoimunes” tivessem na contraindicação, não há qualquer documentação científica de que células do nosso sistema imune (macrófago, linfócitos) possam atacar células endometriais livres na cavidade pélvica.

A teoria autoimune baseia-se na premissa de que haveria um “defeito” nesse processo de limpeza de células endometriais livres na cavidade, e que elas, então, poderiam “invadir” os órgãos e formarem a endometriose.

Porém, isso nunca foi provado. Simplesmente ninguém viu se isso realmente acontece. Como a maioria das pessoas pode dar voz a algo que a ciência nunca provou?

A ciência médica é diferente das ciências humanas, por exemplo. Em humanas, a ideia central deve ser a mesma, mas cada pessoas esboça e ou escreve a sua maneira. Já a ciência médica, ela só é válida mediante comprovação científica.

Falar que a endometriose é uma doença autoimune é o mesmo blá, blá, blá da questão da menstruação retrógrada. Nunca foi provada pela ciência, mas é o que 99% das pessoas falam. Infelizmente as pessoas têm preguiça em “pensar fora da caixinha”.

E outra: cada endomulher tem seu especialista, a quem temos de perguntar e confiar, não é mesmo? O certo mesmo é nunca tomar nenhum medicamento sem o aval de seu médico.

Minha recomendação é nunca tomar nenhum remédio sem o consentimento de seu especialista. Até para tomar uma simples dipirona precisa ter a anuência do seu especialista.

Desde a época que o A Endometriose e Eu era o meu diário, eu sempre falei da importância da relação médico – paciente. Essa relação tem de ser igual a que você tem com sua melhor amiga: ele tem que saber tudo que acontece com a gente. 

Agora o cúmulo do absurdo é saber que uma portadora aterroriza outra porque simplesmente ela fez sua escolha. É o fim dos tempos. Todo ser humano tem direito a fazer suas próprias escolhas.

Não querer pensar fora da caixinha e continuar na mesmice sem fundamento, é a escolha de cada uma, agora assustar uma a outra sobre um assunto sério é grave, gravíssimo.

Com certeza precisamos de um mundo com mais amor. Principalmente no mundo virtual. Mas os responsáveis por emanar essa energia somos nós.

Não adianta pedir “mais amor, por favor”, se a principal peça deste quebra-cabeça não se encaixa neste contexto. Pense nisso com carinho! Beijo carinhoso!

 

Comentário do editor: a febre amarela é doença grave que pode levar à morte. A vacina é a forma mais efetiva de prevenção é a vacinação, e que deve ser estendida à toda população (exceto determinados grupos citados acima), incluindo as portadoras de endometriose.

Fonte imagem: Wikipedia

3 Comentários

  1. Mi Silva Em

    Oi Caroline, tudo bem?
    Faz algum tempo que acompanho seu trabalho e gostaria de saber se você tem conhecimento de algum grupo de endometriose em Santa Catarina?
    Estou com dificuldades por aqui e estou em busca de apoio…
    Obrigada
    Abs
    Mi Silva

  2. Fiquei tão triste ao tentar postar, sem sucesso, o link deste texto em um grupo. Informação de qualidade deve circular, esse é o maior benefício dessa rede. Privar uma colega cheia de dúvidas de ter acesso à informação, não é regra de grupo, é um tipo de censura. Preferi não acatar a ameaça de “banimento”, saí por vontade própria mesmo… 😢

    • Caroline Salazar Em

      Daniela, querida! Concordo com você que infirmação de qualidade deve ser compartilhada com o maior número de pessoas possíveis. Independente do assunto. Ainda mais com a endometriose, que é tão escassa de conteúdo, e há muitas dúvidas entre as portadoras por conta justamente de boa informação. Até imagino qual grupo seja. Aliás, grupo para mim tem o sinônimo de ajuda ao próximo, jamais de censura e banimento de conteúdo. Que dirá de atiçar a violência entre seus membros. Mas como dizem por aí “a gente dá o que recebe”. Quem recebe amor dá amor, quem recebe ódio, infelizmente é o que tem para dar. Mas não liga não. Estamos aqui há oito anos quando ninguém falava em endometriose e iremos continuar até o fim. Juntas somos mais fortes. Beijo carinhoso!

Deixe seu comentário