Publieditorial: Você sabe qual o segredo da excitação feminina?

0

Por Arlindo Bitencourt, farmacêutico de Inovação da Fagron
Edição: Caroline Salazar

O Segredo da Excitação Feminina

Nos últimos anos houve um crescente interesse em avaliar a prevalência e o ideal tratamento da disfunção sexual feminina.

A disfunção sexual feminina está presente em mulheres de diferentes idades e etnias. Estima-se que 40 a 45% das mulheres apresentam algum grau ou condição de disfunção sexual.

A disfunção sexual feminina é considerada um termo amplo que abrange uma variedade de condições e queixas sexuais que causam sofrimento às mulheres. Uma das queixas mais relatadas nas mulheres envolve o distúrbio da excitação sexual.

A excitação sexual nas mulheres está relacionada ao sistema nervoso central e ao sistema nervoso periférico ou vulvar. A excitação sexual consiste na percepção de prazer na região vulvar e vaginal que originará o prazer sexual.

Fisicamente, a genitália intumesce pelo aumento de sangue na região ocasionando a lubrificação vaginal pela umidade. É uma sensação de prazer na vulva e na vagina que gera sensação de prazer sexual.

Distúrbios no fluxo sanguíneo e estimulação vulvar podem reduzir a excitação genital e central. Assim, melhorar o fluxo sanguíneo local com vasodilatadores de ação local pode levar a um aumento da excitação sexual.

Substâncias produzidas pelo nosso organismo, chamadas prostaglandinas E1 (PGE1) são responsáveis pela vasodilatação local. O Alprostadil é uma PGE1 sintética que quando aplicado topicamente causa vasodilatação local, melhorando a excitação e satisfação sexual.

O Alprostadil há muito tempo é utilizado em homens diagnosticados com disfunção erétil. Porém, estudos demostram que este fármaco também é eficaz no tratamento da disfunção da excitação sexual feminina.

Em um estudo com 94 mulheres com distúrbio de excitação sexual feminina, avaliou-se a eficácia e a segurança do Alprostadil. A taxa de sucesso de excitação foi alta nas pacientes que fizeram uso do Alprostadil comparada com o placebo.

Os eventos adversos foram geralmente leves ou moderados em intensidade e envolveram principalmente reações localizadas na área genital.

Assim, é possível concluir que o Alprostadil é um fármaco que pode ser utilizado na conduta do médico para tratamento da excitação e satisfação sexual da mulher. Diversos outros estudos já avaliaram a segurança, eficácia e efeitos adversos do Alprostadil em mulheres.

O Alprostadil Fagron está disponível nas farmácias de manipulação em todo o Brasil e deve ser sempre prescrito e acompanhado por um médico ginecologista. Converse com seu médico. Nunca tome nada sem o conhecimento dele.

A Fagron, multinacional holandesa, está presente em mais de 30 países e é líder mundial em inovação e otimização no tratamento farmacêutico personalizado. É fundamentada em pesquisa e desenvolvimento científico magistral em que são consideradas as características exclusivas de cada paciente.

Referências bibliográfica:

LARA, L. A. S. et al . Abordagem das disfunções sexuais femininas. Rev. Bras. Ginecol. Obstet.,  Rio de Janeiro ,  v. 30, n. 6, p. 312-321,  Jun, 2008.

LARA, L. A. S. et al. Tratamento das disfunções sexuais no consultório do ginecologista. São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo); 2018. (Protocolo Febrasgo – Ginecologia, nº 11/Comissão Nacional Especializada em Sexologia).

LEWIS, R.W. et al. Epidemiology/risk factors of sexual dysfunction. J Sex Med. 2004 Jul;1(1):35-9.

COSTABILE, R. A . Topical alprostadil for the treatment of female sexual arousal disorder. Women’s Health (2006) 2(3), 331–340

HEIMAN, J. R. et al. Topical alprostadil (PGE1) for the treatment of female sexual arousal disorder: In-clinic evaluation of safety and efficacy. Journal of Psychosomatic Obstetrics & Gynecology, March 2006; 27(1): 31–41

KIELBASA, L.A. et al. Topical alprostadil treatment of female sexual arousal disorder Ann Pharmacother 40:1369-1376, 2006

PADMA-NATHAN, H. et al. Efficacy and safety of topical alprostadil cream for the treatment of female sexual arousal disorder (FSAD): a double-blind, multicenter, randomized, and placebo-controlled clinical trial. J Sex Marital Ther. 2003 Oct-Dec;29(5):329-44.

LIAO, Q. et al. Efficacy and Safety of Alprostadil Cream for the Treatment of Female Sexual Arousal Disorder: A Double-Blind, Placebo-Controlled Study in Chinese Population J Sex Med 2008;5:1923–1931

Deixe seu comentário