“Com a Palavra, o Especialista”, Doutor Tomyo Arazawa!

0

Após a história da brasiliense Michele Oliveira relatando sua endometriose diafragmática – ela tinha endometriose pélvica e no diafragma, e, após cirurgia de excisão, ela ficou curada das duas e ainda engravidou naturalmente -, tenho recebido muitas perguntas sobre qual o sintoma da doença no diafragma.

Há sim um sintoma específico para quem tem a doença neste músculo do pulmão. Selecionei uma das dúvidas para a segunda parte da coluna “Com a Palavra, o Especialista” do mês de maio, onde o doutor Tomyo Arazawa cita esse sintoma, além de falar como a mulher descobre se tem endometriose no diafragma.

A outra dúvida é sobre o congelamento da pelve. O que é e qual o melhor tratamento para o grude dos órgãos. Na próxima semana vamos publicar uma tradução exclusiva sobre o assunto e o tratamento mais correto, segundo o doutor Andrew Cook.

Compartilhe mais um texto exclusivo A Endometriose e Eu e a ajude-nos a levar uma nova conscientização da endometriose. Beijo carinhoso! Caroline Salazar  

Atenção: Esta coluna existe para tirar sua dúvida e para que você vá mais informada na sua próxima consulta. Porém, ela não substitui sua consulta médica, e, em hipótese nenhuma, tratamos de casos específicos nesta seção.

– Estou com congelamento de pelve, pode explicar o que é e qual o melhor tratamento? Tatiana Alves – Birigui, São Paulo

Doutor Tomyo Arazawa: Olá Tatiana! Pelve congelada é o termo que utilizamos quando há múltiplas aderências entre os órgãos pélvicos. Essas aderências podem ter sido causadas pela endometriose.

No caso da endometriose, o melhor tratamento depende dos sintomas e complicações que essa doença está causando na vida da paciente. Muitas vezes, ele acaba sendo o tratamento cirúrgico, mas isso não é uma regra absoluta.

Um exemplo é de uma paciente completamente assintomática, sem dores, sem disfunções dos órgãos pélvicos e sem infertilidade. Nessa paciente provavelmente a cirurgia não trará muitos benefícios, e pode trazer mais riscos.

Por isso, o melhor tratamento não é para o quadro de pelve congelada, e sim para a paciente que está com esse quadro. Mas caso o melhor tratamento seja o cirúrgico, é importante ressaltar que essa cirurgia seja realizada com uma equipe especializada e experiente em cirurgias pélvicas complexas e avançadas.

– Doutor, como saber se tenho endometriose no diafragma? Sinto muita dor no ombro durante o período menstrual. Ana Maria – Belo Horizonte, Minas Gerais

Doutor Tomyo Arazawa: Os principais exames de mapeamento para endometriose, como a ultrassonografia de abdômen e a Ressonância Magnética de abdômen (com foco no diafragma) podem ajudar, especialmente, se as lesões forem maiores.

Mas nessa região os exames de mapeamento não são tão sensíveis e específicos quanto na pelve. Geralmente quem tem endometriose diafragmática também tem endometriose profunda e avançada na pelve.

Portanto, se já houver evidências de endometriose pélvica avançada, somado aos seus sintomas de dor no período menstrual no ombro direito, as possibilidades de ter endometriose no diafragma (principalmente, do lado direito, onde ficam 95% das lesões de endometriose no diafragma) é bem maior. Em algumas pacientes, o diagnóstico acaba sendo durante a laparoscopia.

Sobre o doutor Tomyo Arazawa:

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), doutor Tomyo Arazawa fez sua Residência Médica e especialização em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Foi o Preceptor de Ginecologia da FMUSP e se especializou em cirurgias minimamente invasivas (Endoscopia Ginecológica) também no Hospital das Clínicas da FMUSP, tais como cirurgias laparoscópicas, histeroscópicas e cirurgias robóticas.

Tem título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia e em Endoscopia Ginecológica, ambas pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia). É membro da Sociedade Paulista de Ginecologia e Obstetrícia (SOGESP), da American Association of Gynecologic Laparoscopists (AAGL) e da International Pelvic Pain Society (IPPS).

Comments are closed.