“Com a palavra, o Especialista”, Doutor Tomyo Arazawa!

0

Quando uma endomulher engravida, há sempre a dúvida: posso ter parto normal mesmo tendo endometriose? É importante frisar que a endometriose nada tem a ver com a escolha da via de parto.

A questão da leitora é sobre a endometriose, mas não posso deixar de alertar que aquela que tem adenomiose e ou que passou por cirurgia recente no útero precisa conversar com seu especialista se ele não for o obstetra. 

Em qualquer caso, o pré-natal é extremamente importante para manter a saúde da gestante e do bebê. Se tiver tudo bem com a saúde de ambos, a via de parto pode ser normal/ natural. Eu só peço atenção para aquelas que seguem à moda do parto natural em casa. Eu acho perigoso e este é um alerta também do doutor Tomyo..

Em “Com a Palavra, o Especialista”, o doutor Tomyo Arazawa, ginecologista, que deixou a carreira de obstetra para se dedicar à endometriose, explica o que pode influenciar a via de parto de uma endomulher.

A outra questão é sobre aderências pélvicas. A leitora tem aderência numa das trompas, mas ainda não foi diagnosticada com endometriose e tão pouco fez alguma cirurgia. Ela quer saber se a aderência pode ser genética.

Compartilhe mais um texto exclusivo A Endometriose e Eu e ajude-nos a levar uma nova conscientização da endometriose. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

Atenção: Esta coluna existe para tirar sua dúvida e para que você vá mais informada na sua próxima consulta. Porém, ela não substitui sua consulta médica, e, em hipótese nenhuma, tratamos de casos específicos nesta seção.

– Mulheres com endometriose podem ter parto normal/ natural? Quais cuidados devemos ter? Marisa Gomes, Niterói – Rio de Janeiro

Doutor Tomyo Arazawa: Oi Marisa! Podem sim! A endometriose não costuma determinar ou mudar a via de parto em uma gestação. O que vai influenciar a via de parto é como está a saúde da mãe e do bebê! Algumas pacientes com endometriose poderão ter maior risco de parto prematuro, pressão alta e alterações da placenta, mas não são a maioria.

E, como não há formas de prever quem terá isso, o maior cuidado é fazer um acompanhamento pré-natal adequado com uma boa equipe de obstetras! Ah, e mais importante que a via de parto (normal ou cesariana), é a saúde da mãe e do bebê! Por isso não recomendaria ter o parto fora de , euma maternidade, por questões de segurança!

– Doutor tenho aderência na trompa esquerda. Não tenho diagnóstico de endometriose e nunca tive infecção pélvica. O que explicaria essa aderência? Pode ser genético? Francine Vargas, Goiânia – GO

Doutor Tomyo Arazawa: Olá Francine! Uma pergunta antes de mais nada é como esse diagnóstico chegou a você? Foi através de algum exame de imagem? Digo isso, pois nem sempre os exames de imagem acertam todas as vezes.

Nem sempre uma imagem que sugere aderência corresponde a aderência de fato. E algumas aderências são fisiológicas, congênitas, ou seja, você nasceu com elas. Isso pode significar que talvez ela não irá te atrapalhar quando você for tentar engravidar!

Sobre o doutor Tomyo Arazawa:

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), doutor Tomyo Arazawa fez sua Residência Médica e especialização em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital das Clínicas da FMUSP. Foi o Preceptor de Ginecologia da FMUSP e se especializou em cirurgias minimamente invasivas (Endoscopia Ginecológica) também no Hospital das Clínicas da FMUSP, tais como cirurgias laparoscópicas, histeroscópicas e cirurgias robóticas.

Tem título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia e em Endoscopia Ginecológica, ambas pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia). É membro da Sociedade Paulista de Ginecologia e Obstetrícia (SOGESP), da American Association of Gynecologic Laparoscopists (AAGL) e da International Pelvic Pain Society (IPPS).

Deixe seu comentário