Quais as consequências do diagnóstico tardio da endometriose?

0

Entre os muitos mitos que permeia a endometriose, um deles é que a doença acomete mulheres em “idade reprodutiva” que vai dos 13, 15 aos 45 anos. Sabe-se que, infelizmente, a doença não tem idade para acometer uma mulher.

Em minhas palestras, por exemplo, mostro o exemplo da Vivian, que sofre com as dores desde sua menarca, aos 8 anos, diagnosticada tardiamente aos 31 anos. Assim como eu, a Vivian, muitas meninas não têm o diagnóstico precoce por conta da desinformação de que a doença atinge mulheres apenas na idade reprodutiva. 

Em mais uma tradução exclusiva do A Endometriose e Eu, o doutor Roberto Albee Jr, fundador do Center for Endometriosis Care em 1990, explica e lista as consequências que ele que são menosprezadas do diagnóstico tardio da endometriose na vida das endomulheres.

O mais interessante é que como excelente cirurgião excisista, com 2500 cirurgias no currículo, ele fala muito no texto não só do diagnóstico precoce, mas também do tratamento efetivo por meio da LAPEX (laparoscopia por excisão). Beijo carinhoso! Caroline Salazar

Por doutor Robert Albee Jr
Tradução: Carise Manga
Edição: Caroline Salazar

 

Quais as consequências do diagnóstico tardio da endometriose?

 

Olhando para trás, a maioria das minhas ‘endo’pacientes me relatou que seus sintomas começaram quando elas ainda eram adolescentes.

Ainda assim, a maioria dos ginecologistas acredita que o diagnóstico cirúrgico e o tratamento durante a adolescência deve ser evitado ao máximo.

Eu já enumerei detalhadamente em texto anterior as razões de tanta hesitação no uso da laparoscopia por excisão (ou o que chamo de LAPEX) em adolescentes.

O receio da recorrência da doença e formação de aderências são particularmente os fatores que mais motivam essa resistência. Mas as consequências do diagnóstico e do tratamento tardio da endometriose podem ser desastrosas.

Vou citar aqui as consequências que acredito serem as mais menosprezadas: 

– Constrangimento pessoal que podem levar ao declínio de autoestima e perda de autoconfiança:

Quando em uma avaliação médica, o diagnóstico para a dor pélvica não é elaborado e a laparoscopia diagnóstica não é feita, a esperança da paciente em melhorar vai se desvanecendo e sua autoestima vai ficando comprometida.

Adolescentes nessa situação comumente passam a acreditar que sua dor deve ser uma “fantasia” de sua cabeça, visto que ninguém consegue descobrir o que de fato elas têm.

Os pais começam a se perguntar o mesmo após um tempo e acabam manifestando suas dúvidas, mesmo sem intenção de desacreditarem de suas filhas.

Estudantes de enfermagem podem até trazer palavras de consolo, mas não soluções e amigas (que sofrem de problemas semelhantes) podem aumentar a intensidade do impacto psicológico da doença.

Ao longo do tempo e diante da ausência de um diagnostico para as dores e os sintomas da endometriose, a ansiedade e a depressão não raramente são identificadas e tratadas nessas pacientes.

Eu tenho visto muitos médicos prescrevendo tratamento medicamentoso para ansiedade/ depressão em adolescentes que na verdade precisam mesmo é de um diagnostico precoce de sua endometriose assim como um tratamento efetivo para a doença.

Dependência de Narcóticos:

A dor crônica causada pela endometriose pode ser intensa e constante. O uso de narcóticos nas ‘endo’pacientes é incompreensivelmente comum.

Em nossos estudos, uma LAPEX bem feita tem mais de 80% de chance de melhorar significantemente a qualidade de vida das pacientes.

– Evolução da Doença:

O grau de gravidade e de extensão da endometriose é extremamente variável. Tenho observados inúmeras pacientes ao longo dos anos sem evidência clínica alguma que apontem uma progressão da doença já diagnosticada e tratada.

No entanto, a gravidade da doença vai aumentando sutilmente na pacientes sem diagnostico e tratamento.

– Formação Progressiva das Aderências:

A presença de focos de uma endometriose não tratada normalmente resultam em um aumento progressivo de formação de aderências em volta das lesōes e/ou endometriomas (cistos de endometriose).

As aderências crescem e, consequentemente, a possibilidade do aumento da intensidade das dores. Com isso vai ficando cada vez mais difícil mantê-las sob controle. 

– Aumento da Infertilidade:

Decifrar em que momento exato a paciente se tornou infértil é praticamente impossível, mas é sabido que a chance de se tornar infértil aumenta à medida que a doença progride.

Eu acredito que nossa melhor chance de preservar a fertilidade consiste no diagnostico e na remoção dos focos o mais cedo possível, preferivelmente assim que todos os outros diagnósticos tenham sido descartados.

– Mudança de Vida:

A falta de diagnostico e de tratamento pode gerar uma mudança extensiva na vida das pacientes. A dor pode impedir a prática de exercício físico, pode interferir na capacidade de concentração e de aprendizado.

Os sintomas gastrointestinais podem alterar negativamente os hábitos alimentares e nutricionais. Dores durante o ato sexual podem destruir relacionamentos e casamentos.

E esses são apenas alguns exemplos dos impactos que a endometriose pode causar na vida de alguém.

Minha conclusão não é uma surpresa para ninguém. Nós precisamos treinar mais ginecologistas e obstetras  dedicados ao tratamento de pacientes com endometriose e aprimorar suas habilidades em LAPEX (laparoscopia por excisão).

Fonte texto: https://topendodoc.com/
Fonte imagem: Deposit Photos/ Caroline Salazar

 

Deixe seu comentário