Será que minha dor pélvica é endometriose?

0

Apesar de ser uma das principais causas de dores pélvicas, nem sempre a endometriose é a fonte principal da dor. Muitas mulheres podem ter outra doença associada ou não com a endometriose, que seja também a causa da dor.

Se a mulher tem outro transtorno uroginecológico associado à endometriose é preciso tratá-lo também. O doutor Andrew Cook explica maravilhosamente outras 20 condições que podem coocorrer com a endometriose intensificando a dor pélvica.

Compartilhe mais uma tradução exclusiva do A Endometriose e Eu que vai ajudar muitas mulheres a descobrirem o real motivo de sua dor. Beijo carinhoso! Caroline Salazar 

Por doutor Andrew Cook
Tradução: Miriam Ávila
Edição: Caroline Salazar 

Será que minha dor pélvica é Endometriose?

Muitas mulheres com endometriose e que sofrem de dor pélvica também têm transtornos uroginecológicos coexistentes que contribuem para seus sintomas.

Às vezes, um distúrbio pode ocultar outros distúrbios de coocorrência e é preciso um médico qualificado para diferenciar corretamente as muitas fontes possíveis de dor pélvica.

Embora a endometriose seja uma das principais causas de dor pélvica, é muitas vezes de origem multifatorial – pode resultar de múltiplas causas.

As seguintes condições normalmente coocorrem com a endometriose e representam causas adicionais de dor pélvica:

  • Aderências:

As aderências são bandas de tecido fibrótico (tecido cicatricial) que se formam entre órgãos e estruturas adjacentes, como entre os ovários e a parede lateral pélvica e entre o útero e o intestino.

As aderências podem ser finas, em forma de aranha, ou densas e grossas como cola dura. Elas surgem por doença pélvica, infeção ou lesão. Ao longo do tempo, a inflamação associada à endometriose pode causar a formação de cicatrizes e aderências e a cirurgia para remover a doença pode resultar em mais aderências à medida que ocorre a cicatrização.

Algumas pacientes são mais propensas a formar adesões do que outras. Em casos graves, é quase como se um tubo de supercola tivesse sido colocado na cavidade pélvica, fazendo com que as estruturas se fundam e distorçam a anatomia pélvica.

Se as aderências esticarem ou restringirem uma estrutura vital como o intestino, isso pode resultar em dor e outros sintomas, como obstrução intestinal e náuseas. A cirurgia pode ser realizada para remover as aderências dolorosas.

Um problema, no entanto, é evitar que as aderências se formem durante o processo de cicatrização. O uso de barreiras de aderências é um procedimento de segunda análise para descobrir aderências recém-formadas antes destas se estabelecerem pode ajudar a fornecer alívio contínuo.

  • Adenomiose:

A adenomiose é um parente próximo da endometriose e é quando o tecido semelhante ao endométrio é encontrado dentro das paredes musculares do útero.  Os dois principais sintomas de adenomiose são cólicas uterinas severas, que pioram com o fluxo menstrual, e períodos invulgarmente pesados.  Nem todas as mulheres com adenomiose apresentam sintomas.

  •   Cistite intersticial – síndrome da bexiga dolorosa: 

A cistite intersticial (CI) é uma condição de bexiga crônica que muitas vezes simula uma infeção na bexiga. Os sintomas mais comuns são: dor pélvica, pressão pélvica, dor ao urinar, frequência urinária e urgência urinária.  

As mulheres com CI geralmente têm menor capacidade de bexiga e quando o interior da bexiga é inspecionado por meio de cistoscopia (nota da editora: exame endoscópio que verifica a bexiga e a uretra) para verificar se há glomerulações (sangramento capilar pequeno da parede da bexiga) e úlceras de Hunner (lesões ou feridas no revestimento da bexiga).  

Ao contrário da endometriose, a CI não pode ser removida cirurgicamente, mas há tratamentos que podem ajudar a controlar os sintomas, incluindo mudanças na dieta alimentar, instilações da bexiga e medicamentos. 

  • Espasmo muscular da cavidade pélvica:

A dor pélvica crônica pode resultar em um aperto dos músculos da cavidade pélvica. Quando os músculos da cavidade pélvica se tornam excessivamente apertados ou excessivamente relaxados ou soltos (como o parto ou pós-parto), a paciente diz ter disfunção da cavidade pélvica (DCP).

Algumas pacientes com endometriose ou outras formas de dor pélvica crônica desenvolvem espasmos musculares da cavidade pélvica devido ao aperto dos músculos da cavidade pélvica em resposta à dor pélvica severa e constante.

Os espasmos musculares da cavidade pélvica são dolorosamente fortes e podem ocorrer espontâneamente ou se desencadearem por atividade, como na relação sexual.

A fisioterapia pélvica pode ajudar a aliviar os sintomas dolorosos e debilitantes do DCP e do espasmo muscular da cavidade pélvica.

  •  Fibróides: 

Os tumores fibróides são acumulações de tecido muscular liso que se formam nas paredes musculares do útero. Uma mulher pode desenvolver fibromas múltiplos e os tumores podem variar de tamanho, pode ser desde menor que um mármore até maior que uma toranja.

Se os fibróides forem sintomáticos podem causar períodos dolorosos ​​e cólicas uterinas que pioram com a menstruação.

  •  Retroversão uterina: 

Normalmente, o útero é antevertido; está inclinado ligeiramente à frente, em direção à bexiga. Em aproximadamente uma em cada cinco mulheres, o útero é retrovertido; está inclinado para trás em direção ao intestino.

Enquanto a retroversão do útero é considerada um fenômeno normal, ela pode estar associada a dor lombar, ao sexo doloroso e a movimentos intestinais dolorosos.

A retroversão pode ser mais sintomática em mulheres que possuem patologia uterina coocorrente, como fibromas e adenomiose.

  •  Prolapso uterino: 

O prolapso uterino é quando o útero cai e às vezes sai da vagina. É mais comum em pacientes que tiveram partos vaginais prévios, já que o processo de parto pode afrouxar as estruturas de suporte pélvico que sustentam o útero.

O prolapso também é mais comum nas mulheres pós-menopausa, pois a queda dos níveis de estrogênio também pode reduzir o tom das estruturas de suporte na pelve. As pacientes que sofrem de prolapso podem se queixar de uma sensação de inclinação para baixo e dor lombar.

O prolapso também pode estar associado à incontinência de estresse (onde levantamento, tosse, espirros e/ou exercício resulta na perda de urina).

  •  Congestão pélvica: 

Congestão pélvica, varizes uterinas e varizes das veias ovarianas (varizes) são todas variações dos vasos sanguíneos pélvicos aumentados e podem apresentar-se como fonte de dor pélvica.  A congestão pélvica pode ser tratada de forma conservadora ou por meio de remoção radical de órgãos (histerectomia) dependendo do local das varizes.  

  • Cistos Ovarianos:

Os cistos ovarianos não endometrióticos mais comuns são cistos funcionais (cistos folicares e cistos lúteos).  Os cistos funcionais se formam como uma parte normal do ciclo menstrual. Às vezes, os cistos funcionais podem persistir mais do que o normal e causar dor. 

Mesmo a presença de um ou mais cistos de pequeno a médio porte pode esticar a dor causadora do ovário.  Se o ovário também está envolvido por tecido cicatricial ou aderências, a presença de um cisto funcional durante o ciclo pode causar um alongamento cíclico do tecido cicatricial produzindo uma sensação dolorosa como se tivesse “puxando”.

Se um cisto se rompe, isso pode resultar em dor aguda.  Nem todos os cistos são sintomáticos. Às vezes, uma paciente terá grandes cistos de ovário sem sintomas. Os cistos não funcionais incluem endometriomas, corpo lúteo hemorrágico e cistos dermoides.  A imagem pode ajudar a diferenciar entre cistos funcionais e não funcionais. Endometriomas e cistos dermoides não se resolvem por conta própria, sem cirurgia. 

  • Torção ovariana: 

A torção ovariana é quando um ovário se torce por si mesmo. A torção está associada a dor abdominal aguda e representa uma emergência médica.

Se a torção não for resolvida rapidamente, o fornecimento de sangue ao ovário pode ser comprometido e o ovário pode deixar de funcionar, resultando em perda do ovário.

  • Neuropatia da parede abdominal:  

Os nervos femorais ilioinguinal, ilio-hipogástrico e genitofemoral são encontrados na parede abdominal inferior entre o umbigo e o osso do quadril, até a virilha e a coxa.

Quando esses nervos estão danificados, um bloqueio do nervo ou injeção no ponto de gatilho pode ser útil; muitas vezes, uma série de bloqueios nervosos pode aliviar a dor.

Em alguns casos, uma técnica chamada ablação por radiofrequência é usada para proporcionar um alívio mais duradouro.

  • Neuropatia do pudendo e compressão do nervo pudendo (PNE):

 O nervo pudendo está localizado ao longo da lateral da vagina. Este nervo tem três ramos básicos: um ramo anterior, para o clitóris; um ramo do meio, para a área vaginal e vulvar; e um ramo posterior, para o ânus.  

A dor pode estar presente em qualquer parte do nervo se ficar danificado ou aprisionado. A dor é muitas vezes pior quando a paciente está sentada. A neuropatia pudendária pode ser tratada com blocos de nervo pudendário e fisioterapia pélvica.

Em alguns casos, a ablação por radiofrequência do nervo pudendário pode ser útil. (nota da editora: o nervo pudendo é o principal nervo do períneo, tem funções sensitivas e motoras e é o responsável pelas sensações dos órgãos genitais, do períneo e do ânus). 

  •   Síndrome do ovário remanescente: 

Um remanescente de ovário é quando um pequeno pedaço de tecido ovariano é deixado para trás após a remoção de um ovário. Isso pode ocorrer se o ovário estiver grudado por aderências na parede lateral pélvica adjacente antes da remoção.

Nesses casos, o ovário deve primeiro ser cuidadosamente retirado das estruturas aderentes sem deixar restos dele para trás. A síndrome do ovário remanescente é quando uma paciente experimenta dor como resultado do remanescente de ovário (parte do ovário que não foi retirado).  

Às vezes, um remanescente será identificado pela presença de um cisto no tecido ovariano em ultrassom ou por níveis persistentemente elevados de estrogênio (no caso de remoção de ambos os ovários).  A síndrome do ovário remanescente pode ser resolvida removendo cirurgicamente o remanescente do tecido ovariano. 

  • Corpos estranhos:

A dor pélvica pode resultar de materiais estranhos deixados no corpo após um procedimento anterior, como grampos cirúrgicos e malhas. Às vezes, um corpo estranho pode resultar em uma reação inflamatória crônica chamada reação de células gigantes do corpo estranho.  

As reações do corpo estranho podem ser resolvidas removendo a fonte da reação. Evitar o uso de materiais estranhos não biodegradáveis ​​no organismo pode impedir que essas reações ocorram em primeiro lugar.

  • Hérnias:

As hérnias da virilha incluem hérnias inguinais, obturadoras e femorais. As hérnias inguinais são as mais comuns. Estas são na verdade uma fonte incomum de dor pélvica e muitas vezes são subdiagnosticadas e tratadas com telas/malhas, o que pode se tornar uma nova fonte de dor pélvica.  

Por este motivo, as hérnias inguinais devem ser tratadas sem telas/ malhas. Às vezes, uma paciente pode desenvolver uma hérnia de parede abdominal dolorosa, incluindo hérnias umbilicais, hérnia incisional e hérnia ventrais.

A correção cirúrgica pode resolver a hérnia e qualquer dor associada.  

  • Apendicite:

A apendicite é uma condição em que o apêndice se inflama. No caso de apendicite aguda, o aparecimento da inflamação é repentino e é acompanhado por dor pélvica do lado direito severa que leva a paciente às ugências e o apêndice é removido durante a cirurgia de emergência.  

Ocasionalmente, uma paciente apresentará apendicite crônica ou sua dor aguda será passada como dor de endometriose, potencialmente levando a uma situação que ameaça a vida se o apêndice então se romper. 

  • Sensibilidade alimentar e alergias:

Embora tecnicamente diferente, alergias alimentares e sensibilidades alimentares podem resultar em problemas semelhantes.  Uma alergia alimentar, como a frutos do mar, é mediada pelo sistema imunológico: o paciente pode ficar com uma erupção cutânea e/ou pode ter dificuldade em respirar.  

Uma sensibilidade alimentar, como a intolerância à lactose, tem uma resposta de órgão final: a paciente reage ao alimento com, por exemplo, um espasmo intestinal.

O glúten é uma proteína encontrada em trigo, centeio, cevada, farelo de aveia e germe de trigo. Embora possa causar doença celíaca, o glúten também é uma das principais causas de sensibilidade alimentar. Os sintomas são muito semelhantes.

Com a doença celíaca, o revestimento do trato gastrointestinal torna-se danificado, mas a dor com sensibilidade ao glúten – como dor no intestino grave, até um nível de 10/10 – pode ser tão grave.

Outros sintomas incluem inchaço, diarréia, problemas de pele, dores de cabeça, até sintomas neurológicos, como irritação e ansiedade. As sensibilidades dos alimentos também podem contribuir ou causar dor na área vulvar e piorar os sintomas da cistite intersticial.

  • Problemas gastrointestinais:

Problemas intestinais são comuns em pacientes com dor pélvica. Muitas pacientes relatam inchaço, cãibras, gases  alternando ataques de constipação e diarréia. Uma das causas dos problemas gastrointestinais inclui alergias e sensibilidades alimentares.  

Outras causas de sintomas gástricos incluem problemas de motilidade intestinal ou intestino espástico, obstruções intestinais devido a aderências, cólon redundante (um comprimento extra de cólon), diverticulite (quando uma pequena bolsa se forma no cólon e se infecta) e fissuras anais, uma fenda em o revestimento do ânus, muitas vezes resultante da constipação.  

Para ler mais sobre inchaço, a disbiose, a chamada “barriga endo” e o microbioma pode ler o texto “Barriga de endometriose: o inchaço abdominal que confunde com gravidez”.    

  • Hipersensibilidade visceral generalizada:

Visceral refere-se aos órgãos internos e hipersensibilidade refere-se à sensibilidade anormalmente aumentada. Com hipersensibilidade visceral generalizada, todo o interior do corpo dói.  

Isso geralmente ocorre porque os sinais inadequados estão sendo enviados pelo sistema nervoso, criando tipos de dor neuropática ou dor centralizada. 

  • Vulvodínia: 

A vulva é a área ao redor da parte externa da vagina. Vulvodínia significa “dor da vulva”. Existem dois tipos gerais de vulvodínia. Pacientes com vulvodinia generalizada podem sofrer dor em qualquer lugar da vulva entre as coxas.

Pode envolver toda a área ou áreas específicas e isoladas. A dor pode ser intermitente ou constante.

A vestibulite vulvar envolve a dor do vestíbulo, a área pequena ao redor da abertura da vagina dentro dos lábios menores ou lábios internos.  A dor só está presente com pressão sobre a área, como na relação sexual ou na inserção de tampão.

Fonte: Vital Health
Fonte imagem: Deposit Photos/ Caroline Salazar

Comments are closed.