“Com a Palavra, o Especialista”, Doutor Hélio Sato!

0

A infertilidade é uma doença que afeta muitas mulheres, e assusta muitas endomulheres. Porém, ela não é causada apenas pela endometriose.

Você já escutou falar sobre trompas enoveladas? Sabe o que é? Será que é possível engravidar com uma trompa obstruída e a outra com hidrossalpinge?

Na primeira parte da coluna “Com a Palavra, o Especialista” deste mês de maio, o mês que muitas mulheres se veem triste e com seu colo vazio, o doutor Hélio Sato, tira sua dúvida sobre esses dois problemas que podem dificultar a gestação.

Se você está enfrentando algum obstáculo para realizar o sonho da maternidade, tenha fé. Muita fé, e não desista! 

Lembre-se: é muito importante a mulher, independente do problema, ser bem acompanhada, por quem realmente entende do assunto. Minha experiência é um exemplo de como essa premissa é importante.

Compartilhe mais um texto exclusivo A Endometriose e Eu e ajude-nos a levar uma nova conscientização da endometriose. Beijo carinhoso! Caroline Salazar 

Atenção: Esta coluna existe para tirar sua dúvida e para que você vá mais informada na sua próxima consulta. Porém, ela não substitui sua consulta médica, e, em hipótese nenhuma, tratamos de casos específicos nesta seção.   

– Doutor o que é trompas enoveladas? Gostaria de saber se tem tratamento? Michelle Maria – Barra do Piraí, Rio de Janeiro

Doutor Hélio Sato: As trompas ou tubas uterinas são estruturas alongadas que permitem a comunicação da cavidade uterina com os ovários. É o ponto de encontro do espermatozoide com o óvulo, e por ser muito fina, facilita a movimentação do espermatozoide e do embrião pelo seu interior.

Por outro lado, o diâmetro reduzido das tubas uterinas, também, favorece a ocorrência de pontos de estreitamentos e assim diminui a possibilidade do encontro do óvulo com os espermatozoides, como mostra o vídeo abaixo:

E, estes estreitamentos que ocorrem, principalmente, por aderências que tornam as tubas com aspecto de novelo de lã. Portanto, esta situação nós denominamos de tubas enoveladas.

O tratamento é individualizado, mas não há muito o que se fazer. A trompa é um órgão muito sensível e delicado, por isso não aceita muita manipulação cirúrgica. Em muitos casos, a cirurgia de correção das tubas tem o índice muito baixo de sucesso.

Se o enovelamento tiver muito severo e com obstrução, é preciso retirar essa trompa, e a mulher poderá engravidar por FIV. 

– Doutor sou portadora de endometriose profunda, assintomática. Descobri que tenho uma trompa obstruída e a outra com hidrossalpinge. Qual é a recomendação para engravidar? Tem tratamento para esse problema das trompas? Glaucia – Sorocaba, São Paulo

Doutor Hélio Sato: Conforme citado na resposta anterior, as trompas ou tubas uterinas é uma estrutura alongada que permite a comunicação da cavidade uterina com os ovários. É ponto de encontro do espermatozoide com o óvulo, como mostra o vídeo abaixo.

Se uma trompa está obstruída e se a outra está com hidrossalpinge – acúmulo de líquido no interior da tuba e ocorre quando esta estrutura está obstruída – se estiver confirmado a obstrução de ambas as tubas, a opção recomendada é proceder a uma laparoscopia com objetivo de tentar desobstruir a tuba

Porém, a depender da dilatação da tuba com hidrossalpinge a indicação é sua retirada, pois a hidrossalpinge não somente não permite o encontro do espermatozóide com o óvulo como também, pode limitar a gravidez caso o encontro se dê na tuba que foi desobstruída.

Caso a desobstrução não tenha sido alcançada, já que a tuba é um órgão muito delicado e sua manipulação e sucesso de desobstrução é imponderável, a alternativa recomendada é a FIV e TE.

 

Sobre o doutor Hélio Sato:

Ginecologista e obstetra, Hélio Sato é especializado em endometriose, em laparoscopia e em reprodução humana. Tem graduação em Medicina, Residência Médica, Preceptoria, Mestrado e Doutorado em Ginecologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), e foi corresponsável do Setor de Algia Pélvica e Endometriose da mesma instituição. 
Hélio Sato tem certificado em laparoscopia pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e de Obstetrícia. É membro da AAGL “American Society of Gynecology Laparoscopy” e é sócio fundador da clínica de reprodução humana LABFORLIFE.

Deixe seu comentário