Conheça a coleção de livros online do blog A Endometriose e Eu!

0

Por Caroline Salazar
Edição: Nathália Veras

Em novembro de 2017, quando o domínio do blog mudou de blogpsot – criado em abril de 2010 como um diário pessoal – para próprio, profissionalizando-o, a prioridade sempre foi trazer cada vez mais conteúdo de qualidade e que você só encontra aqui.

Ao trazer a perspectiva da teoria mulleriana – embrionária – e a possibilidade de cura reportando grandes cientistas da endometriose, como os doutores David Redwine, Andrew Cook e Robert Albee Jr, entre outros, inovamos.

A teoria que fundamenta a cura não é invenção do blog A Endometriose e Eu, é algo comprovado pela ciência. Nosso pioneirismo é trazer tudo isso à tona, reportando de maneira de fácil compreensão que passamos às leitoras a informação.

Nosso principal objetivo sempre foi ajudar ainda mais as endomulheres a compreender a endometriose e, sempre que possível, conseguir a cura, como eu e tantas outras.

A maioria das mulheres ainda considera a endometriose uma doença de difícil compreensão por conta de alguns mitos que ainda permeiam a doença. Como a dor menstrual nunca foi levada a sério, muitas pessoas acham que é frescura, que quando casar ou engravidar passa ou que é meramente psicológica ou inventada.

Muitas endomulheres ficam desesperadas quando recebem o diagnóstico e acham que não poderão ter filhos. Outras tantas se veem num beco sem saída a cada cirurgia que não alivia suas dores ou que o alívio dura pouquíssimo tempo ou naquela que o (a) médico (a) diz que não encontrou nada.

Outras se sentem desoladas toda vez que escutam que a doença não tem cura, quando utilizam o termo ‘doença crônica’ como sinônimo de ‘sem cura’ e que voltaria todo mês com a menstruação.

Felizmente a coluna “História das Leitoras” nos últimos meses tem contrariado esse mito. Lá temos muitos depoimentos reais de endomulheres que estão curadas e algumas menstruam normalmente.

Seja aquela que optou por não tomar nenhum hormônio e que menstrua normalmente sem dor como aquela que preferiu voltar à pílula, mas que hoje faz uso dela apenas como contraceptivo.

Se a doença de fato não tivesse cura, essas mulheres, assim como eu e tantas outras no mundo, que já sofremos tanto, não estaríamos sem sintomas quando menstruamos. Essas histórias trazem esperança e corroboram os estudos científicos que reportamos.

O A Endometriose e Eu está constantemente em busca de informações exclusivas comprovadas pela ciência para lhe ajudar a entender melhor a doença e decidir qual o tratamento correto para seu momento e também a conviver melhor com a doença.

Por isso pensamos numa ferramenta que atingiria o máximo de mulheres possíveis e também os seus mais próximos. Foi aí que surgiu a coleção de livros online do blog onde especialistas lhe ajudarão a entender a doença e como conviver melhor com ela.

A coleção contempla 3 livros: “Estou com Endometriose, e Agora?” escrito por mim com edição e prefácio do doutor Alysson Zanatta; “Como falar sobre sua endometriose com as pessoas mais próximas?”, da psicóloga e portadora, Lívia Burin; e “Exercício e Endometriose”, do educador físico Renato Trevisan.  

Os livros têm informações exclusivas que você só encontra aqui no A Endometriose e Eu. E é muito importante passa-las às pessoas que a gente quer que entenda a doença e nos compreenda melhor.

Por isso, vai muito bem de presente no amigo secreto, Natal, aniversário e até sem ocasião especial. Precisamos informar melhor a sociedade sobre a endometriose e presentear com nossos e-books é ótima opção.

Eu incentivo muito a leitura e o conhecimento com quem trabalha comigo, pois como eu sempre falo: “o conhecimento é algo que ninguém tira de você”. Podemos perder tudo que temos, mas o conhecimento ninguém lhe tira.

Aliás, a coleção é ótima ideia para você presentear neste fim de ano. Clique aqui e adquire já a sua ou presenteie quem você gosta ou quem você queira que passe a entender melhor a endometriose. Vamos juntas dar esperança e espalhar uma nova cosncientização da endometriose. Beijo carinhoso!

Deixe seu comentário