Matthew Rosser: EndoBarriga – por que ocorre o inchaço abdominal?

0

A endometriose é uma doença que se manifesta de diversas maneiras na mulher. Um dos sintomas mais frequentes nas endomulheres, e ainda pouco falado, é o inchaço abdominal, mais conhecido como EndoBarriga ou Barriga de Endometriose.

Esse inchaço abdominal é frequente não apenas nas mulheres com endometriose intestinal, mas também em muitas portadoras que não tem a doença nesse órgão.

Neste texto, o cientista inglês Matthew Rosser explica alguns estudos relacionados à endobarriga. Esse é um dos sintomas gastrointestinais mais comuns e ainda pouco estudado, mas que incomoda e muito quem sofre com o inchaço.

Eu mesma sofri mais de 20 anos e muitas vezes tinha a “barriga de grávida” sem mesmo nunca ter estado gestante antes. Aliás, muitas vezes, nesta época minha barriga ficava até muito maior do que quando fiquei grávida.

Fiquei quase 10 anos sem conseguir usar calça jeans. Me acostumei com legging, pois era mais fácil de abaixar quando a crise e o inchaço chegavam. Afinal, não tinha dia  e muito menos horário. A dor e a barriga de endometriose chegavam do nada, sem avisar.

No blogspot relatei a volta ao meu velho e bom jeans número 42, e esse post rodou o mundo porque eu me sentei de calça jeans (com botão e zíper fechados) na posição de Buda. Quem é portadora e sofre com a dor severa e o inchaço abdominal sabe que é impossível se sentar na posição de Buda e ainda de calça jeans.

Ainda faltam muitos estudos sobre o tema, mas a partir deste texto alguns pontos ficaram mais claros, especialmente o período que a endobarriga aparece e a necessidade de as portadoras usarem roupas mais largas neste período.

Foi constatado no estudo que a falta de compreensão dos médicos sobre esse sintoma também é grande, já que a maioria deles não vê a necessidade de usar roupas largas durante esta fase.

Afinal, só quem sente sabe como é, não conseguir vestir uma simples roupa durante muitos dias do mês ou até mesmo durante todo o mês por muitos e muitos anos. Falta mais empatia, amor e respeito por parte ​de alguns médicos para tratar as endomulheres. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

Por Matthew Rosser 
Tradução: Alexandre
Vaz Edição: Caroline Salazar

EndoBarriga ou Barriga de Endometriose – por que ocorre o inchaço abdominal?

Talvez um dos sintomas da endometriose que menos atenção recebe é o que apropriadamente é designado por “endobarriga”. Uma pesquisa rápida no google ou na mídia social retorna inúmeros exemplos desse fenômeno.

Endobarriga é o inchaço pronunciado do abdômen, que pode frequentemente ser desconfortável ou doloroso, com frequência acompanhado por uma sensação de estar com o abdômen cheio.

Esse inchaço pode ocorrer em certos pontos do ciclo menstrual ou aleatoriamente durante outros dias do mês. Quando falamos de sintomas de endometriose o debate tende a girar em torno de assuntos como a dor e a fertilidade.

Isso é razoável, considerando que esses são os sintomas associados com a endometriose que mais impactam a vida das portadoras. Contudo, existem outros sintomas que estão também associados com a doença e que frequentemente são ignorados.

Eles podem não ser tão comuns ou severos como a dor, mas continuam sendo fatores que influenciam a saúde e bem-estar das pessoas que sofrem com a doença no seu dia a dia.

A endometriose é conhecida por envolver outros sintomas. Sintomas gastrointestinais, em especial, são reportados com quase tanta frequência quanto sintomas ginecológicos. Alguns estudos indicam que até 85% das portadoras vivenciam sintomas gastrointestinais.

O mesmo estudo reporta que as principais causas que desencadeiam os sintomas gástricos (se é que se conhece algum) são a menstruação e estresse (leia o estudo completo em inglês aqui).

Não é surpresa dados de estudos apontarem que 1/3 das mulheres sem histórico de endometriose reportaram sintomas gástricos em torno do período menstrual (conheço bastantes mulheres que temem as infames defecações durante o período). E, para mulheres com endometriose, os sintomas gástricos mais severos costumam acontecer na época da menstruação.

Quando se observam sintomas gástricos de perto, como a dor abdominal, prisão de ventre, inchaço e urgência de defecar, eles são significativamente mais comuns nas portadoras de endometriose quando comparadas com as mulheres que não têm a doença.

Enquanto que diarreia, náuseas e vômitos não parecem ser mais comuns do que em outros grupos de mulheres (exceto se a endometriose estiver diretamente no intestino).

Para esse post, no entanto, vou focar no inchaço e na “barriga de endometriose” já que parece ser o mais misterioso dos sintomas gástricos.

Outro estudo realizado em mulheres submetidas a laparoscopia de diagnóstico para suspeita de endometriose revela que, das mulheres que receberam confirmação da doença, apenas 7,6% tinham focos de endometriose envolvendo diretamente o intestino, contudo 81,3% relataram sintomas gástricos, incluindo 81,6% com endometriose comprovada relatando inchaço, que por sua vez, é o sintoma gástrico mais comum.

Embora a “barriga de endometriose” seja bem conhecida entre os círculos de portadoras, tal não parece acontecer no campo médico. Isso é exemplificado em um estudo sobre estruturação de questionários para medição de sintomas dolorosos da endometriose.

Portadoras e médicos foram questionados sobre quão válidos eles consideravam serem certos depoimentos para a quantificação da dor crônica na endometriose. Um dos depoimentos envolvia perguntar sobre “inchaço, abdômen inchado durante a menstruação”.

Das portadoras, 88,2% concordaram sobre a validade dessa pergunta no questionário, comparado com apenas 35% dos profissionais de saúde. Talvez seja essa a razão pela qual muito pouca pesquisa tenha sido feita sobre esse fenômeno de inchaço crônico abdominal na endometriose.

A meu conhecimento  existiu apenas um estudo que focou especificamente nesse assunto. Vamos olhar esse estudo um pouco mais detalhadamente.

Primeiramente os autores recrutaram 3 grupos de mulheres; mulheres sem endometriose (um grupo de controle constituído por 25 mulheres), um grupo de 12 mulheres diagnosticadas com endometriose que não estavam tomando qualquer medicação, e um grupo de 14 mulheres diagnosticadas com endometriose que estavam em tratamento medicamentoso.

Em primeiro lugar, antes de olhar para o inchaço, vamos ver como esses grupos se comparam entre si em termos de sintomas dolorosos, especialmente dor relacionada com a menstruação.

O gráfico seguinte mostra qual a porcentagem de mulheres nesse estudo que reportaram qual tipo de dor associada à menstruação estavam sentindo.

Não chega a causar surpresa que as mulheres com endometriose tinham os sintomas mais dolorosos durante a menstruação. Mas, então, e os sintomas relacionados com o inchaço?

As portadoras foram questionadas com uma série de perguntas acerca do seu inchaço, abaixo estão os resultados.

Primeira pergunta: tem inchaço abdominal?

Apenas com esse gráfico já fica claro que as portadoras, estejam medicadas ou não, experimentam mais inchaço do que as mulheres sem endometriose.

Outra parte do estudo analisou a percepção da severidade do inchaço no grupo de controle e das portadoras não medicadas enquanto este variava entre a parte da manhã e à noite.

Descobriram que o grupo de endometriose tinha uma severidade de variação do inchaço significativamente maior entre a manhã e à noite, em qualquer um dos estágios do ciclo menstrual.

Falando do ciclo menstrual, o estudo perguntou para as mulheres

que tinham inchaço abdominal se ele variava durante o ciclo menstrual, e as respostas foram as seguintes:

Uma clara diferença entre portadoras e não-portadoras. Cerca de uma em 6 mulheres sempre tinha inchaço coincidindo com alguma parte do ciclo menstrual, com mais de 2/3 de qualquer um dos grupos com endometriose.

Então um número claro de mulheres com endometriose vivencia esse inchaço de forma sincronizada com o seu ciclo. Mas em que parte do ciclo?

Poderá não gerar surpresa que a maioria das mulheres em qualquer um dos grupos sofre inchaço antes ou durante o período.

No entanto, para o grupo de endometriose (apenas mulheres com endometriose e não tomando qualquer medicamento foram incluídas nesse gráfico), quase metade afirmou que o seu inchaço decorria antes e durante o período, por comparação a cerca de 1/3 das mulheres no grupo de controle.

Parece existir uma “janela de inchaço” diretamente antes e durante a menstruação em que o inchaço ocorre mais frequentemente.

Existem claramente alguns fatores influenciando ou influenciados pela menstruação e que desempenham um papel no inchaço crônico na endometriose.

Que fatores são esses continua sendo um mistério, mas iremos debater mais tarde quais eles poderão ser.

Conseguimos estabelecer quem tem esse inchaço e quando, mas e os efeitos sobre as pessoas que vivenciam isso?

Novamente a partir dos resultados obtidos, o inchaço tem um impacto muito maior na vida das portadoras. Em particular nas portadoras que estão sendo medicadas.

Existem várias respostas para explicar isso. As portadoras medicadas são passíveis de ter sintomas mais severos logo no começo do tratamento, ou pode ser que alguns dos efeitos secundários da medicação causem inchaço (opioides são conhecidos por causarem problemas gástricos).

Uma outra forma em que os autores mediram o impacto do inchaço na vida das mulheres foi perguntar se era necessário usar roupas mais largas.

Enquanto apenas cerca de 1/3 das mulheres do grupo de controle necessitava de roupas largas, em torno de 80 a 90% das mulheres com endometriose precisavam delas.

Penso que isso ilustra um aspecto importante do que é viver com endometriose, que a doença pode restringir a portadora em tantas formas que a generalidade das pessoas nem imagina.

Estar com dor já é bastante restritivo, mas e não poder usar o que quer, quando quer, durante muitos dias do mês?

Ou ter que planear as suas atividades em torno de sintomas restritivos que a portadora já sabe que chegarão todo o mês? Tudo isso soma na forma em que a endometriose impacta negativamente na vida da portadora.

Quais podem ser as causas desses sintomas?

Envolvimento direto da endometriose no intestino é uma resposta relativamente óbvia, pois mulheres com endometriose no intestino ou bem perto dele (tal como o septo reto-vaginal) reportaram ter sintomas intestinais mais severos.

No entanto, sintomas gástricos continuam sendo comuns em mulheres com todas as variantes da doença, independentemente de onde ela esteja localizada.

Um ponto de partida natural quando se investigam problemas gastrointestinais, é perguntar sobre a alimentação. Os autores desse estudo questionaram as mulheres se o inchaço era mais severo após as refeições.

Embora o grupo de controle tenha respostas muito equilibradas, nos grupos com endometriose a proporção de resposta “sim” é bem mais pronunciada.

Isso é bastante mais evidente no grupo das portadoras medicadas, com cerca de 80% delas revelando que estão mais inchadas após as refeições.

A próxima pergunta lógica é se as participantes achavam que algum alimento em particular desencadeava essa reação.

A maioria parece concordar que existe uma componente na dieta que causa o inchaço. Contudo também existem porções elevadas dos grupos de endometriose que responderam “não” ou “não sei”.

Isso combinado com o inchaço ligado à menstruação significa que existe claramente algo a mais do que apenas a alimentação.

Outros estudos sobre sintomas gastrointestinais e o ciclo menstrual descobriram uma clara ligação entre os dois. Um deles descobriu que 1/3 das mulheres tinha sintomas gástricos de algum tipo durante o período.

Esse número subiu para metade em mulheres que também têm Síndrome do Intestino Irritável (SII). A SII é relativamente comum, e cerca de metade das mulheres que reportaram dor pélvica, também possui sintomas que sugerem essa síndrome.

No entanto, a SII também é uma das doenças mais mal diagnosticadas e muito confundida com a endometriose. Um estudo mostrou que 1/3 das portadoras tinham inicialmente sido diagnosticadas com SII, o que acarretou atraso no diagnóstico da endometriose.

Posto isso, estudos realizados em mulheres diagnosticadas com endometriose e SII sugerem que uma mudança na dieta, tal como uma dieta baixa em FODMAP (nota da editora: abreviatura em inglês da dieta de alimentos ricos em oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polifenois fermentáveis. Toda dieta deve ser prescrita por uma nutricionista e acompanhada por seu especialista) pode ajudar a reduzir os sintomas gástricos.

Existem outras razões que causem sintomas gástricos, como inchaço nas portadoras de endometriose?

Existem evidências a partir de estudos em animais, que as bactérias saudáveis que ajudam a manter a digestão saudável são alteradas na presença da endometriose.

E que as bactérias existentes no intestino ajudam a regular o estrogênio no corpo, mas isso é muito especulativo por enquanto e muita pesquisa será necessária antes de podermos afirmar algo.

Uma coisa que sabemos muito bem é que a endometriose é uma doença caracterizada por inflamação crônica. Durante a menstruação o útero produz um número de fatores que promovem a inflamação, tais como certas prostaglandinas e interleucinas (sinalizando às moléculas quais os tecidos que devem ficar inflamados).

Isso ajuda a controlar o colapso, descamação e recrescimento do endométrio. A produção de fatores que promovem a inflamação é um processo com um controle bem apertado no corpo.

Se esse processo for desregulado pela doença, com as lesões produzindo os fatores inflamatórios continuamente, conduzindo a inflamação crônica localizada em torno dos órgãos pélvicos, é credível que isso contribua para os sintomas dolorosos da endometriose.

Com o início da inflamação agressiva na região pélvica da portadora, não seria uma surpresa se os órgãos adjacentes às lesões de endometriose também fossem afetados por esse ambiente inflamado.

Se pesquisar em um livro de biologia do 2º grau (ensino médio) por um desenho do sistema reprodutor feminino, verá que o intestino fica muito perto de onde a endometriose geralmente é encontrada.

Como tal, pode muito bem ser que o ambiente de pelve inflamada causada pela endometriose conduza a irritação e inchaço do intestino bem próximo, e o pico de fatores inflamatórios durante a menstruação apenas agrave esse efeito.

Eu preciso apontar aqui que essas são apenas hipóteses baseadas em alguns fatos. Existe ainda muito trabalho a ser feito para compreender o porquê de o inchaço ser uma característica tão comum na endometriose e quais as formas de tratamento.

Em qualquer dos casos a barriga de endometriose é um fenômeno distinto e único nas portadoras (para lhe dar uma descrição clínica, eu aqui a batizo de Inchaço Abdominal Associado à Endometriose [IAAE], a sua existência deve ser levada a sério pelos médicos e precisa existir mais foco na sua pesquisa futura.

Fonte imagem: Deposit Photos/ Caroline Salazar

Deixe seu comentário